BEDEVILLED: O GRANDE GAUGUIN, É FALSO

O museu provavelmente pagou pelo menos 3 milhões de dólares pela escultura amplamente exibida de um diabo com chifres, mas o trabalho mal atribuído pode ter sido feito por um artista polinésio para o mercado europeu.

 

Um entalhe de um diabo com chifres comprado como um Gauguin pelo Museu J. Paul Getty em Los Angeles não é genuíno. Cabeça com chifres, que conseguiu um preço recorde para uma escultura de Gauguin, acabou de ser descartada e relegada para o armazém.

Uma porta-voz da Getty disse ao The Art Newspaper: “Em dezembro de 2019, o museu mudou a atribuição da escultura da Cabeça com Chifres para ‘desconhecido’. Esta decisão foi baseada nas pesquisas acadêmicas dos últimos anos realizadas por profissionais da Getty e outros especialistas na área, incluindo novas evidências importantes que não estavam disponíveis no momento de sua aquisição.

 

Head with Horns in the J Paul Getty Museum, Los Angeles, was almost certainly made in the Pacific—but not by Gauguin © Thomas R Machnitzki

 

Em 2002, quando a peça foi adquirida, a então diretora da Getty, Deborah Gribbon, disse: “A escultura de Gauguin é extremamente rara, e este trabalho intrigante se destaca como um exemplo magnífico”. A cabeça esculpida com características faciais humanas e chifres diabólicos, montada sobre uma base pesada, tinha sido datada em 1895-97, quando o artista viveu no Taiti. Embora Gauguin seja famoso por suas pinturas, ele também esculpiu esculturas de madeira durante sua estadia na Polinésia, embora poucos sejam tão grandes e ambiciosos quanto o exemplo do Getty.

 

A prova chave de que Cabeça com Chifres é um verdadeiro Gauguin foi que o artista colou duas fotografias da escultura no seu caderno de notas Noa Noa (do final da década de 1890, agora no Museu do Louvre, Paris) e incluiu a imagem em vários dos seus desenhos e gravuras (1898-1900). Os historiadores de arte, portanto, há muito assumiram que ele havia esculpido a cabeça com chifres no Taiti, mas até os anos 90 a escultura propriamente dita permaneceu desconhecida e pensava-se que estava perdida e provavelmente destruída.

 

A cabeça com chifres apareceu pela primeira vez numa exposição na Fondation Maeght em Saint-Paul-de-Vence em 1997, emprestada por uma colecção privada americana não identificada. Cinco anos depois, enquanto estava em exposição no Metropolitan Museum of Art, em Nova Iorque, foi comprado pela Getty. A Getty não revela os preços das aquisições adquiridas por particulares, mas as pessoas informadas acreditam que pode ter custado cerca de $3 a $5 milhões. O museu confirma agora que veio da Galeria Wildenstein, em Nova Iorque.

 

Pouco depois da sua aquisição, alguns forasteiros começaram a questionar privadamente a sua autenticidade. O crítico mais persistente da escultura tem sido Fabrice Fourmanoir, um experiente colecionador de fotografia taitiana do século XIX, com um interesse especial em Gauguin.

 

Anne-Lise Desmas, a chefe de escultura e artes decorativas da Getty, está realizando o catálogo das obras francesas do museu. Quando ela entrou para a Getty em 2008, ela olhou para a cabeça chifrada com olhos frescos, duvidando cada vez mais da atribuição. Ele aponta que “nenhuma outra escultura de Gauguin tem tal pedestal” e, excepcionalmente para uma grande escultura de Gauguin, ela não está assinada.

 

Outra prova significativa contra a atribuição, localizada por Fourmanoir, é um álbum de fotos de Jules Agostini adquirido em 2015 pelo Musée du quai Branly em Paris. Inclui uma fotografia da escultura, intitulada Idole Marquisienne, que Agostini presumivelmente acreditava ter sido feita por um escultor indígena dos Marquesas, parte da Polinésia Francesa.

 

Um estudo detalhado do álbum sugere que a fotografia de Head with Horn foi tirada entre Novembro e Dezembro de 1894, quando Gauguin estava em Paris (antes do seu regresso ao Taiti em Setembro de 1895, após o que se pensou ter esculpido a obra). Ao lado de Head with Horns, no álbum de Agostini, está um retrato de George Lagarde, um colecionador de material etnográfico”, por isso ele poderia ter sido o dono da escultura fotografada.

 

Durante a sua pesquisa, o Getty aparentemente perguntou a Wildenstein sobre a proveniência da Cabeça com Chifres. Tudo o que a galeria revelou foi que ela foi comprada de um colecionador privado suíço sem nome, em 1993. Onde tem estado nos últimos cem anos permanece um mistério.

 

 

GIVOA: Para aumentar o mistério, a Casa de Wildenstein continua a sua política de retenção de informações para evitar investigações. O negócio obscuro dos catálogos raisonné feitos por atores do mercado e não por pesquisadores ou núcleo de pesquisas independentes de qualquer pretensão de lucro sobre as obras.

 

O envolvimento de Wildenstein é complicado porque, além de vender a escultura em 2002, ele estava produzindo o catálogo raisonné de Gauguin (o volume completo das pinturas já tinha sido publicado, mas o volume da escultura ainda não estava preparado). Portanto, a galeria deu à Getty sua benção acadêmica para Head with Horns, enquanto tinha um interesse financeiro maciço na venda.

 

Wildenstein não respondeu às perguntas do The Art Newspaper. Embora o Getty deva estar considerando se ele poderia procurar uma recompensa, pode ter sido muito tempo desde que ele fez a compra.

 

“Embora não seja uma obra-prima, Head with Horn é um objeto muito intrigante”, diz Desmas. Os especialistas polinésios concordam que não se trata de uma escultura tradicional, tanto por razões estilísticas como pela sua iconografia (o “diabo”, como tal, não existe nos Mares do Sul). No entanto, é possível que tenha sido feito por um artesão indígena para o mercado europeu.

 

Outra possibilidade é que tenha sido feita por um europeu na região do Pacífico. Fourmanoir acredita que foi esculpida “por um marinheiro europeu em um navio baleeiro que parou no Taiti”, onde a escultura foi vendida. Um exame detalhado da cabeça e do basamento, e onde estes madeiras poderiam ter sido obtidos, poderia ajudar a resolver o puzzle, com mais pesquisas em curso no Getty.

 

A cabeça com chifres foi retirada da exposição da Getty no ano passado, e espera-se agora que permaneça no armazém. Esteve notavelmente ausente da recente exposição Gauguin Portraits (aberta na National Gallery of Canada em Ottawa em Maio passado, e fechada na National Gallery em Londres em 26 de Janeiro), que incluiu esculturas. Desmas e Anne Pingeot, especialista francesa em Gauguin, estão escrevendo artigos sobre Cabeça com Chifres para o Jornal Getty Research em fevereiro de 2021 e o catálogo de esculturas da Getty será publicado em 2022.

 

Publicación original: https://www.theartnewspaper.com/ MARTIN BAILEY 28th January 2020

No Comments

Post A Comment

20 − sete =