Como ter a certeza de que não vai comprar uma falsificação

Excelente relatório feito pelo site ARTSY a diferentes peritos e especialistas em arte de renome internacional

Autor: Elena Goukassian

Publicado em https://www.artsy.net/ o día 30 de Abril de 2020

Tradução: GIVOA

Elizabeth von Habsburg, diretora geral da empresa de avaliação e consultoria Winston Art Group, viu a sua enorme percentagem de falsificações ao longo dos seus 30 anos de atividade. Ela lembra-se de uma coleção de 100 peças Fabergé, das quais apenas duas se revelaram autênticas. Noutros casos, descobriu um Cézanne falso e todo um armazém cheio de trabalhos forjados em Las Vegas. Ela não precisava de olhar para nenhuma destas peças para saber que eram falsas. As bandeiras vermelhas estavam todas na sua papelada.

Quando as falsificações de arte fazem manchetes, as histórias por detrás da sua desmascaração envolvem frequentemente um exame meticuloso de pormenores anteriormente ignorados como também os laboratórios de investigação forense que podem testar materiais. E embora estas técnicas ajudem certamente a identificar falsificações, nem sempre são necessárias. De facto, segundo avaliadores, advogados e outros especialistas, há uma série de estratégias muito mais simples (e mais baratas) que os coleccionadores podem utilizar para ajudar a identificar uma potencial falsificação antes que seja demasiado tarde.

Conheça o seu revendedor

Antes mesmo de chegar à obra de arte, a primeira coisa a considerar é o vendedor. No caso dos Fabergés falsos, von Habsburg descobriu que não só faltava a maior parte das peças, como também a mesma pessoa que as vendeu ao coleccionador inadvertido, ao longo de vários anos, fez as avaliações anuais do coleccionador. Ao comprar algo por milhares de dólares (ou mais), não tome a sua decisão apenas com base na palavra do vendedor. “Você deve ter sempre um conselho independente”, disse von Habsburg.

“Comprar arte é uma decisão tão emocional”, disse Jennifer Mass, química de materiais e presidente da Análise Científica de Belas Artes, “e o mundo da arte é um fascinante mundo antigo de acordos de aperto de mão e sem a devida diligência”. Os coleccionadores podem sentir-se mal-educados quando fazem demasiadas perguntas a um vendedor, especialmente a um que afirma tê-los chamado primeiro para ter a oportunidade de possuir um trabalho recém-adquirido. É esta mistura de excitação, medo de perder e confiança despropositada que pode levar os coleccionadores a comprar uma falsificação involuntariamente.

Faça um pouco de investigação

A melhor maneira de evitar ser enganado é impedir-se de comprar por impulso e fazer um pouco de investigação tanto sobre o vendedor como sobre o trabalho. Basta procurar nomes online para começar, certificando-se especificamente de que o comerciante é respeitável. Qualquer imprensa negativa é certamente um sinal de aviso, assim como uma suspeita de falta de informação; você também poderia procurar pessoas no How’s My Dealing, um site de resenhas de artistas de revendedores (como um revendedor trata os seus artistas pode ser indicativo de como eles vão tratar os seus clientes).

Assim que o vendedor passar o teste, comece a fazer-lhes perguntas sobre a obra: Quem era o dono da obra antes? De onde é que eles a obtiveram? Foi conservada? Pode simplesmente pedir para ver a sua papelada e revisar a obra. Se o revendedor estiver hesitante ou evasivo em responder às suas perguntas, isso é um mau sinal. Você não compraria um carro ou uma casa sem saber como foi construído ou quando; por que você seria menos escrupuloso ao comprar uma obra de arte?

O passo seguinte é examinar a importante papelada. Isto inclui documentação sobre o histórico de propriedade da obra (a “proveniência” do objeto, pronunciada à maneira francesa), bem como autenticações assinadas e registos de exposição e conservação. Todas as obras de arte que não são novas vêm com documentação de proveniência. Se não o fizer, é um sinal claro de que algo está errado. Para novas obras de arte, pode sempre contactar o artista ou o seu estúdio para perguntar sobre a obra.

Torne-se um profissional

Um bom falsificador saberá a importância da proveniência, pelo que a veracidade dos próprios documentos também precisa de ser verificada em relação ao catálogo raisonné do artista: o registo oficial e completo de todas as obras de um único artista, muitas vezes compiladas pelo acervo do artista. Quanto aos documentos de autenticação, estes também poderiam ser falsificados – o que acabou por ser o caso do tesouro de Las Vegas von Habsburg analisou, com os nomes de peritos reais a aparecerem em documentos que os próprios peritos disseram nunca terem assinado.

Ao examinar a documentação de um obra, pode fazer algumas pesquisas por conta própria. O Instituto Wildenstein Plattner, por exemplo, é um grande recurso para os catálogos digitais raisonnés. Mas um perito ou um avaliador experiente também pode ser muito úteis. No entanto, um avaliador não poderá autenticar uma obra; apenas um perito pode faze-lo com  à ajuda de alguém muito ligado ao artista em questão, como a fundação ou um marchante com quem o artista trabalhou durante um longo período de tempo.

Embora os especialistas (não peritos) possam ajudar a localizar a proveniência e a analisar muito atentamente a obra para detectar sinais da mão do artista, podem não estar dispostos a dizer nada de definitivo sobre um objeto por receio de serem processados se se revelarem errados. Tais preocupações foram a razão pela qual o Warhol Authentication Association Board se dissolveu em 2012 – estava a gastar demasiado dinheiro em processos judiciais por disputas de autenticidade. Contudo, um avaliador saberá quais as lacunas a procurar, como a falta de certificação recente, história da exposição ou citações de literatura; um valor altamente exagerado; ou uma discrepância no título da obra. (Não se esqueça de examinar também o seu perito; a filiação ou certificação por uma associação profissional ou acadêmica é sempre um bom sinal). Tenha em mente, porém, que a documentação das obras genuínas também tem frequentemente lacunas; a chave está em descobrir quais são plausíveis e quais não o são.

Como salientou o avaliador Louky Keijsers Koning, há casos em que o catálogo raisonné está incorrecto, ou em que o artista alterou o título da obra em algum momento. Ao longo dos anos também se perde muita papelada. Nas falsificações mais óbvias, há múltiplos documentos suspeitos ou em falta. “Encontrar uma obra perdida é muito raro”, disse Keijsers Koning. “É por isso que a proveniência é muito, muito importante”.

Um bom falsificador não é apenas um bom artista, mas também um astuto investigador e esperto homem de negócios. Eles procuram lacunas razoáveis para mergulhar, copiando obras de artistas que não têm ou têm catálogos incompletos raisonnés (como Jean-Michel Basquiat, Willem de Kooning, ou Amedeo Modigniani), nenhum corpo autenticador (como com Andy Warhol), ou preços de mercado crescentes combinados com pouca bolsa de estudos abrangente (como Banksy ou Natalia Goncharova).

Obrigações contratuais

Depois de ter feito toda a sua pesquisa (incluindo a análise da assinatura, do estilo do trabalho e de qualquer etiqueta de galeria no verso) e sentir-se confiante na sua compra, é importante manter o acompanhamento da papelada, criando um bom contrato com o seu revendedor. Keijsers Koning disse que muitas vezes lembra aos coleccionadores para manterem as suas faturas e relatórios de avaliação, mas muitas pessoas nem sequer têm faturas. O advogado John R. Cahill, que co-representou um demandante no infame caso da falsificação na Galeria Knoedler, acrescentou que um contrato é fundamental para proteger o comprador no caso de uma falsificação ser descoberta.

“Na maioria dos Estados, cabe ao juiz ou ao júri decidir se a autenticidade fazia parte do acordo”, disse Cahill, e os traficantes são conhecidos por criarem brechas para si próprios, citando obras como “autênticas, tanto quanto eu sei” para evitar responsabilidades. (O Estado de Nova Iorque, no entanto, tem uma lei que protege o comprador com uma espécie de garantia de quatro anos, pelo que têm direito a um reembolso se a obra for considerada falsa nesse período).

“Um bom contrato dirá que a obra é autêntica e tudo o que sabe foi revelado”, observou Cahill, acrescentando que a Galeria Knoedler foi processada por fraude porque não revelou o facto de a Fundação Internacional para a Investigação Artística não ter identificado definitivamente um dos quadros “Jackson Pollock” como genuíno, o que teria sido um sinal claro para o comprador de que algo estava errado.

Os vendedores nem sempre são culpados, embora eles próprios tenham sido muitas vezes enganados pelas falsificações. Mesmo grandes leiloeiros como a Christie’s e a Sotheby’s venderam inadvertidamente obras forjadas. E com as grandes falsificações – as que fazem as manchetes nacionais – são realmente necessárias para as trazer à luz.

A boa ciência supera a arte falsa

“Os bons falsificadores são suficientemente cuidadosos para conseguir materiais que se adaptem”, disse Cahill, acrescentando que as pessoas que copiam cerâmicas chinesas antigas tiram muitas vezes fragmentos de cerâmica da época real e moem-nos nas falsificações, num esforço para enganar os cientistas. Alguns dos mais notoriamente bem sucedidos falsificadores, como Wolfgang Beltracchi, esforçaram-se por comprar telas antigas e criar tintas de época para as suas obras.

“Beltracchi fez falsificações sofisticadas, e fez um bom trabalho, impermeabilizando-as à ciência”, disse Mass, a química dos materiais. Mas ele foi apanhado quando uma suposta pintura de Heinrich Campendonk, supostamente feita em 1914, foi encontrada contendo vestígios de pigmento branco de titânio – um pigmento que não existia na época.

O laboratório de Mass na Scientific Analysis of Fine Art é especializado na análise de materiais de obras de arte, desde a análise molecular até à espectroscopia. Ela disse que todos os processos que utiliza são não invasivos ou minimamente invasivos; ela pode obter toda a informação que precisa de uma amostra do tamanho do período no final desta frase. Em 2014, Mass fez parte de uma equipe que trabalhou com a Phillips Collection em Washington, D.C., para descobrir uma composição abaixo da The Blue Room de Picasso (1901) usando luz infravermelha multiespectral. Uma revelação fascinante em si mesma, se alguma vez existiu alguma dúvida sobre a autenticidade do quadro, isto acabou por o encerrar de uma vez por todas.

“Com imagens infravermelhas, se não houver nada por baixo, nenhuma alteração na composição ou desenho, isso é uma bandeira vermelha”, explicou Mass. Graças em parte a este método, ela identificou uma série de aparentes pinturas holandesas do século XVII, que na realidade eram cópias do século XIX. Se dois quadros são iguais, aquele com esboços em movimento e composição alterada é sempre o original, marcando onde a artista mudou de ideias ou fez ajustes. Ao analisar a pintura (tanto o pigmento como a imprimação), ela descobre frequentemente tentativas de disfarçar o estado da obra; num caso, ela descobriu que 80% de uma pintura estava pintada em excesso, algo que estava escondido do cliente que comprou a obra.

Mas mesmo na vertente forense, é muitas vezes mais revelador analisar a tela e mesmo os documentos que a acompanham do que a própria tela. Mass disse que vê muitas etiquetas falsas nas pinturas, identificadas como tal porque o papel em que são impressas tem branqueadores ópticos que só estão disponíveis desde meados da década de 40. Estas mesmas questões surgem com documentos falsos, o que é uma das razões pelas quais a Mass tem um conservador de papel na sua equipe.

A opção nuclear

Quanto à tela, a datação por radiocarbono tem provado ser o melhor método para determinar a sua idade. Irka Hajdas, pesquisadora do Laboratório de Física de Feixes de Iões da Universidade ETH Zurique, na Suíça, é especialista em datação por radiocarbono de objetos do patrimônio cultural, incluindo pinturas, esculturas em marfim, têxteis e manuscritos. É um processo muito complexo, pois os níveis de radiocarbono na atmosfera subiram e desceram com o tempo, influenciados por factores como as alterações no campo magnético da Terra, a actividade solar e, mais drasticamente, os ensaios de armas nucleares dos anos 50. Ela disse que é impossível datar a Mona Lisa (1503-19) de Leonardo da Vinci, por exemplo, porque os níveis de radiocarbono permaneceram inalterados durante quase dois séculos (de 1450 a 1650), coincidindo em grande parte com a Renascença. Do outro lado do espectro, é mais fácil datar as telas utilizadas em pinturas após os anos 50, quando os ensaios de armas nucleares provocaram um aumento maciço dos níveis de radiocarbono no ar.

Com todos estes métodos em mãos (incluindo novos desenvolvimentos na inteligência artificial), novas falsificações são descobertas todos os dias. “Os falsificadores nunca conseguem prever que tipo de métodos analíticos são inventados para combater o seu produto de falsidade. Eles não podem ajustar as suas falsificações a futuras aplicações. Num determinado momento, eles caem fora”, disse Milko den Leeuw, especialista em restauração e fundador da Authentication in Art, uma organização sem fins lucrativos com sede nos Países Baixos que investiga e promove as melhores práticas neste domínio. “O nosso trabalho é acelerar as invenções, verificar e verificar duas vezes as suas possibilidades e limitações”. Para que possamos integrá-las na caixa de ferramentas”.

Embora a IA, a datação por radiocarbono e a análise molecular sejam ferramentas importantes na identificação de falsificações, elas nem sempre são necessárias. A ferramenta mais importante é a pesquisa meticulosa, e na era da Internet, é mais fácil do que nunca fazê-lo você mesmo. Como disse von Habsburg, “à medida que mais informação fica disponível online, mais falsificações saem da madeira”. E lembre-se de nunca deixar um vendedor apressá-lo para uma venda. “Há muito mais falsificações do que seria de esperar”, disse Keijsers Koning. “Se tens alguma dúvida, não a deves comprar.”

https://www.artsy.net/article/artsy-editorial-buying-forgery

Tags:
No Comments

Post A Comment

catorze − 5 =