O RIJKSMUSEUM, CENTRO INTERNACIONAL DE PERÍCIA

AMSTERDAM.- Em colaboração com o Museu Prinsenhof Delft, o Rijksmuseum realizou a primeira pesquisa técnica extensiva de todos os tempos no trabalho de Pieter de Hooch (1629- 1679), no período que antecede o “Pieter de Hooch” em Delft: Da sombra de Vermeer” na exposição no Museu Prinsenhof Delft que finalizou em fevereiro deste ano.

Janelle Moerman, directora do Museu Prinsenhof Delft declara que em 2017, o Museu Prinsenhof Delft iniciou um grande projeto de pesquisa multidisciplinar em Pieter de Hooch. Um estudo tão extenso sobre este mestre de Delft que nunca tinha sido empreendida. O Rijksmuseum aclarou que foi a pesquisa mais importante realizada até hoje. Este museu é parceiro neste projeto e também a mais importante fonte de obras em empréstimo para esta exposição, com quatro quadros. Graças a esta pesquisa agora sabemos mais do que nunca sobre o Pieter de Hooch.

Sobre o artista: Pieter de Hooch (1629-1684) nasceu em Roterdão. Serviu a sua aprendizagem sob Ludolph de Jongh em Roterdão e mais tarde sob Nicolaes Pietersz Berchem em Haarlem.

Em 1655, registou-se na associação de artistas em Delft como pintor independente. Como muitos artistas da época, De Hooch também teve uma segunda profissão: trabalhou para um comerciante de tecidos. Como artista, De Hooch pintava principalmente figuras em ambientes domésticos. Um elemento característico em muitas de suas pinturas são a vista de uma sala ou quintal através de uma porta, ou janela aberta.

Como era habitual na pintura de gênero holandês, os seus interiores transmitiam frequentemente uma mensagem moral.

Quando De Hooch se mudou para Amsterdã em 1661, o seu estilo tornou-se mais elegante e profuso. Seu filho Pieter, que também era seu aluno, morreu no manicômio de Amsterdã em 1684. Quando o próprio De Hooch morreu não é claro; seu último trabalho datado é daquele mesmo ano, 1684.

Interior with Women beside a Linen Cupboard, Pieter de Hooch, 1663
Woman with a Child in a Pantry, Pieter de Hooch, c. 1656 – c. 1660

Pesquisa: Nos últimos 18 meses, os pesquisadores reuniram informações técnicas sobre um total de 27 pinturas de todo o mundo, e usaram técnicas avançadas de imagem, como a macro-XRF (MA-XRF) e a espectroscopia de imagem por reflexão (RIS/VNIR) para olhar “sob a pele” de dez pinturas do artista.  A Conservadora Anna Krekeler liderou a pesquisa, que foi realizada no Edifício do Atelier do Rijksmuseum.

Novas percepções: A busca da composição certa e das cenas escondidas usando o MA-XRF os pesquisadores têm sido capazes de confirmar que em muitas ocasiões em que Pieter de Hooch fez alterações nas figuras dos seus quadros na sua Procura da composição ideal. Foi revelado, por exemplo, que a artista fez alterações em “A Mother Delousing Her Child’s Hair”, conhecida como “O dever da mãe” (c. 1660-61). O quadro apresentava inicialmente um casal em frente de o leito da cama. Os dados desta nova versão revelada são consistentes com pares similares nas pinturas Delft de De Hooch, enquanto a sala é consistente com quadros que ele fez em Amesterdão. Como resultado, o trabalho “O dever da mãe” parece formar uma ponte entre os períodos De Hooch’s Delft e Amsterdam.

Develando o misterio

O crescimento de Pieter de Hooch como artista

Esta pesquisa confirmou que foi durante seus anos em Delft, e principalmente entre 1655 e 1658, que o artista mais desenvolveu em termos de técnica e estilo. Um bom exemplo disso é o seu uso de pinos com um fio preso para alcançar uma perspectiva perfeita: enquanto muitos artistas do período fariam uso de um pequeno orifício no ponto de fuga central no horizonte, dois desses buracos podem ser encontrados em vários quadros de De Hooch. Nenhum segundo orifício pode ser encontrado em seus quadros que datam de cerca de 1658 em diante, sugerindo, que por esta altura De Hooch já tinha  dominado a perspectiva central.

Microscopia

A paleta do artista : A parte técnica da pesquisa permitiu aos investigadores, inicialmente, para identificar os pigmentos utilizados por Pieter de Hooch. A conclusão central é que em muitos aspectos De Hooch’s é idêntica às de outros pintores holandeses dos séculos XVII.

O que é marcante é que a sua utilização do dispendioso pigmento ultramarino produzido a partir da pedra semi-preciosa lápis lazúli.

De Hooch usou ultramarina em muitos dos seus quadros, não só nas áreas de azul proeminente, mas também mistas com pigmentos como o lago amarelo para retratar a folhagem verde, por exemplo.

Figures in a Courtyard behind a House, Pieter de Hooch, c. 1663 – c. 1665

O filho do pedreiro que construiu com tinta: A utilização da cor do solo como uma sombra ou meio-tom, bem como a mínima camada de tinta. Testemunha de um método eficiente e uma forma econômica de trabalhar.

Detalhe

De Hooch literalmente construiu a casa, um verdadeiro filho de pedreiro, tijolo por tijolo, com pouco pinceladas vermelhas e utilizando a cor do solo para indicar a argamassa.

Fonte: AIA – Edição GIVOA Brasil

No Comments

Post A Comment

quatro × quatro =