Os segredos escondidos no verso das obras famosas

Para o olho destreinado, parecia apenas um pedaço de fita adesiva. Mas para Jeannette Redensek, uma acadêmica revisando centenas de trabalhos em preparação para um catálogo abrangente de pinturas do modernista alemão-americano Josef Albers, a faixa amarelada de adesivo presa nas costas de um dos trabalhos de Albers foi uma revelação.

Piet Mondrian, Composition, 1936. Courtesy of the Philadelphia Museum of Art.

Verso of Piet Mondrian, Composition, 1936. Courtesy of the Philadelphia Museum of Art.

O modesto pedaço de fita oferecia a pista final para determinar o histórico de propriedade da pintura e até mesmo onde ela havia sido exibida. “Eu sabia [de outro quadro que ví] tinha absolutamente pertencido a este colecionador em Cleveland”, disse Redensek a Artsy. “Na parte de trás da pintura havia um pedaço de fita adesiva sobre o qual alguém havia escrito ‘sala de estar’. E então, quando vi a fita adesiva na outra que dizia ‘quarto’, pensei, tem que ser isso. É a mesma mão, é a mesma fita adesiva. ”E ela estava certa: o cavalheiro em Cleveland tinha os dois.

Detail of artist’s inscriptions on the reverse of Josef Albers, Study for Homage to the Square: Night Sound, 1968. © 2018 The Josef and Anni Albers Foundation/Artists Rights Society (ARS), New York. Courtesy of The Josef and Anni Albers Foundation.

A Redensek pertence a uma subcultura do mundo da arte distinta – composta de curadores, conservadores, pesquisadores e outros profissionais do mercado que rotineiramente revem as pinturas – que aprimoraram um conhecimento das partes de trás de obras de arte que rivalizam com a atenção dada às superfícies. “O verso de uma pintura pode conter quase tanta informação quanto o frente”, observou Katy Rogers, presidente da Catalog Raisonné Scholars Association e co-autora do catálogo raisonné de Robert Motherwell.

Pinturas e colagens. Andrea Liguori, diretor administrativo da Fundação Richard Diebenkorn, acrescentou: “Examinar a parte de trás de uma pintura é quase tão importante para nós quanto examinar a frente.”

O rosto de uma pintura comunica seu contexto histórico de arte, mas seu reverso muitas vezes carrega a história da obra de arte em si. No verso de telas, barras do chasssis (a estrutura de madeira segurando a tela no lugar) e a parte de baixo das molduras, examinadores cuidadosos podem encontrar inscrições deixadas pelos artistas, tentativas de última hora de defender trabalhos depois que eles saíram do estúdio . As versões também são frequentemente marcadas por revendedores, colecionadores e museus, com anotações que vão desde anotações a lápis engraxadas até selos de cera, rótulos de exposições e números de inventário. Juntas, essas marcações são semelhantes ao passaporte de uma pintura, representando sua identidade, viagens e até mesmo mudanças de endereço.

As anotações do artista geralmente servem como um meio de garantir que informações importantes sobre um trabalho, como título, data e autoria, sejam preservadas à medida que mudam de mãos. Mas a prática é individual; alguns artistas compartilham detalhes mais curiosos ou usam os dois lados de uma tela. Artistas que continuamente retrabalharam telas podem riscar títulos antigos anteriormente inscritos em macas, deixando pistas sobre imagens encobertas por camadas de pinceladas sobrepostas.

 

Carlo Dolci, Saint Philip Neri, 1645 or 1646. Courtesy of The Metropolitan Museum of Art.

 

Verso of Carlo Dolci, Saint Philip Neri, 1645 or 1646. Courtesy of The Metropolitan Museum of Art.

 

“O retrato do Museu Metropolitano de Arte de São Filipe Néri de Carlo Dolci tem uma inscrição escrita por Dolci, na qual ele diz quando ele começou a trabalhar na peça, quanto tempo demorou e o fato de ele ter começado no aniversário dele ”, lembra Keith Christiansen, presidente do departamento de pinturas européias do Metropolitan Museum of Art. Para os artistas do século XX que experimentavam a abstração, as partes de trás das pinturas eram um local conveniente para deixar apêndices explicativos. Richard Diebenkorn “muitas vezes adicionou setas às suas abstrações, às vezes em combinação com ‘TOP’ em letras maiúsculas, para dissipar qualquer confusão sobre a orientação correta de uma obra”, observou Liguori. E o expressionista abstrato, O pintor Motherwell às vezes deixava as chaves para decifrar várias camadas de significado no título de uma obra. Na parte de trás de uma colagem chamada The French Line (1960), que apresenta um rótulo de uma caixa de breadsticks francesas de baixa caloria, Motherwell detalhou todas as interpretações possíveis: “1. Pintura (francês) / 2. Dietas (amis fidèles de votre ligne) / 3. Barcos (transatlântico) / 4. Côte d’Azure (linha costeira). ”

Albers, que experimentou metodicamente a cor em sua série assinada “Homenagem ao Quadrado”, registrou notas meticulosas sobre as mais de 2.000 variações do tema, produzidas ao longo de 26 anos. “Ele registrou tanto o nome do pigmento quanto o nome do fabricante”, disse Redensek, grato por esses índices que diferenciam de forma confiável os trabalhos quase idênticos. “Quando vejo a parte de trás dessas pinturas, percebo que ele removeu pigmentos para obter um ocre amarelo que é um pouco mais escuro, um ocre amarelo que é um pouco mais claro, um cádmio amarelo, uma luz amarela de cádmio. Ele está jogando com distinções muito finas nas cores e, portanto, essas notas coloridas são essenciais ”.

 

Richard Diebenkorn, Woman in Profile, 1958. © The Richard Diebenkorn Foundation. Photo by Richard Grant. Courtesy of Richard Grant, the Richard Diebenkorn Foundation, and the San Francisco Museum of Art.

 

Verso of Richard Diebenkorn, Woman in Profile, 1958. Courtesy of the Richard Diebenkorn Foundation.

 

Cindy Albertson, conservadora de pinturas modernas e contemporâneas no Museu de Arte de Filadélfia, notou que “os artistas [contemporâneos], cada vez mais, estão fornecendo mais informações no verso da obra de arte, o que é uma espécie de mini-entrevista com um artista”. Na parte de trás de uma grande pintura de Sean Scully que ela examinou recentemente, The Fall (1983), o artista incluiu instruções de montagem: “Esta pintura é muito pesada, então é melhor montá-la de lado. Em seguida, deite-se (face para cima) e levante-se – apoiando os lados. ”

O que adorna o outro lado da pintura também difere entre os períodos de tempo. Pinturas mais antigas, com séculos de experiência de vida, usam pastiches de rótulos e selos em suas bordas, levando profissionais especializados em diferentes movimentos artísticos a cultivar expertises distintas. “Aposto que as pessoas nos impressionistas e modernos e, definitivamente, na contemporaneidade, não gastam tanto tempo quanto eu fiz em minha carreira vasculhando brasões para descobrir que família nobre, de potencial em qualquer lugar da Europa, poderia ter usado uma águia, três listras e uma coroa em seu brasão de armas ”, explicou Jonquil O’Reilly, chefe de vendas do departamento de Old Masters da Christie’s em Nova York.

 

Robert Motherwell, The French Line, 1960. © Dedalus Foundation, Inc. VAGA, New York, NY. Courtesy of Dedalus Foundation.

 

Verso of Robert Motherwell, The French Line, 1960. Courtesy of Dedalus Foundation.

 

 

Colecionadores europeus aristocráticos certa vez gravaram suas pinturas com selos de cera com o brasão da família; os fabricantes de telas estampariam suas insígnias na matéria-prima; e as casas de leilões marcaram seus lotes com configurações alfanuméricas idiossincráticas. O negociante de arte francês do início do século XX, Ambroise Vollard, por exemplo, normalmente registrava seu inventário com lápis azul. Arte saqueada pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, por vezes, tem uma série de selos: um com emblemático águia de duas cabeças do partido, outro notando quando foi apreendido, e outros marcando os postos de controle que cruzou antes de chegar ao seu destino.

“Assim como você está desenvolvendo seus olhos olhando para o [trabalho dos artistas]”, acrescenta O’Reilly, “você também tem uma ideia de todos esses rótulos e coleções diferentes que surgem de vez em quando, e das diferentes maneiras pelas quais as pessoas marcar as coisas. Entender essas marcações é importante para confirmar a autenticidade de uma pintura ou aumentar seu valor de mercado. Quando Robert Simon, um ex-co-proprietário do Salvator Mundi (aprox. 1500) de Leonardo da Vinci, comprou a pintura em 2005, ele encontrou um número de inventário que a identificou como parte da Coleção Sir Francis Cook. “Isso foi útil porque a cabeça já parecia muito diferente da imagem da pintura publicada [em um catálogo de 1913]”, observou Dianne Modestini, especialista em conservação e professora de pesquisa do Instituto de Belas Artes da Universidade de Nova York que conservou a obra de arte, que recentemente quebrou recordes em leilão, vendendo por US $ 450 milhões. A pintura a óleo da Renascença foi repetidamente superposta pelos restauradores nos últimos séculos, e as reproduções da obra diferem ligeiramente ao longo do tempo. “[Simon] acabaria por identificá-lo de qualquer maneira, mas [o número do inventário] foi imediatamente uma prova certa de que era a mesma pintura”.

 

Rogier van der Weyden, Francesco d’Este (born about 1429, died after July 20, 1486), ca. 1460. Photo © The Metropolitan Museum of Art. Courtesy of The Metropolitan Museum of Art.

 

Verso of Rogier van der Weyden, Francesco d’Este (born about 1429, died after July 20, 1486), ca. 1460. Photo © The Metropolitan Museum of Art. Courtesy of The Metropolitan Museum of Art.

 

Os conservadores têm prestado atenção às partes de trás das obras de arte desde pelo menos o final do século XVIII, se não antes. Os versos de pintura são conservados para manter suas aparências originais, tratados com quase a mesma reverência dos retos. Modestini explicou que, em sua própria experiência, “mesmo quando as pinturas eram recolocadas e as macas substituídas, geralmente os rótulos, carimbos, selos, etc. no verso eram removidos, se possível, e recolocados na nova maca”. Albertson lembrou ter visto um algumas pinturas do artista holandês Piet Mondrian em que madeiras do chassis precisavam ser substituídas; os topos dos bares originais, onde o artista havia inscrito títulos, foram cuidadosamente reduzidos e recolocados nos novos.

Grande atenção é dedicada a esses lados B raramente reproduzidos, que apenas alguns poucos têm o privilégio de ver. Aqueles que têm a oportunidade se divertem em faixas aparentemente mundanas de fita adesiva, selos com números misteriosos e títulos riscados, sabendo que estão a par de uma história da arte inexplorada em livros didáticos. Quando pressionados, eles podem até dizer que seu segundo lado favorito é a frente.  (Autora: Karen Chernick (Artsy) – Tradução: Givoa Brasil)

 

Vik Muniz começou fotografando os versos de pinturas famosas em 2002. Em seu livro “Reflexo” (2005)

Vik Muniz (1961) é artista plástico, brasileiro, nascido em São Paulo e radicado em Nova York. A partir de 1988, começou a desenvolver trabalhos que faziam uso da percepção e representação de imagens a partir de materiais.

 

 

No II Congresso Internacional de Peritagem de Obras de Arte que será no Rio de Janeiro o dia 29 de setembro de 2018 haberá uma tabela de palestrantes que será composta por profissionais do Restauro, Química e Perícia de Arte, direito autoral, pericia criminal, pericia grafotécnica e tecnologia e funcionários públicos com o objetivo de divulgar e democratizar o acesso à informação sobre perícia de obras de arte e patrimônio para a determinação da autenticidade de trabalhos artísticos. É um trabalho interdisciplinar que, mediante a aplicação tecnológica que atualmente dispomos, podem realizar laudos sérios e cientificamente comprovados.

Inscrições> www.icaebrasil.com.br

 

Fenômeno Mundial: este evento está alinhado a diversas ações que se realizam no mundo todo. Recentemente teve início o funcionamento da Corte de Arbitragem para a Arte (CAA na sigla em inglês) sediada em Haia na Holanda, uma iniciativa conjunta do Netherlands Arbitration Institute e da ONG Authentication in Art (homônimo do ICAE), coordenada pelo advogado americano William Charron. O fato reflete um movimento crescente em busca de métodos alternativos para resolução de conflitos e capaz de garantir a especialidade do julgador em temas cada vez mais transdisciplinares, como são, sem dúvida, os aspectos jurídicos do mercado de arte.

No Comments

Post A Comment

5 × cinco =