Salvatore Mundi: A obra que o “Marketing” tornou a mais cara da história

Va de Cultura (20-12-2017)

Salvator Mundi – Marketing e Status-Quo

Uma obra de arte atribuída a Leonardo Da Vinci vendida por US $ 450 milhões.

Mais uma vez, a maravilhosa máquina de marketing consegue atrair a atenção dos meios de comunicação, compradores “anônimos”, pericias escassas, negócios milionários.

O leiloeiro de Christie’s Jussi Pylkkanen justificou a “indubitável” proveniência do trabalho dizendo que ele estava “anteriormente nas coleções de três reis da Inglaterra” … Indubitável proveniência?

O autor Philip Hook, especialista internacional em arte impressionista e moderna da Sotheby’s, deu sua própria opinião sobre a questão da autenticidade do trabalho. Ele disse que é geralmente aceito que, em algum lugar do trabalho, há “uma grande quantidade de pintura de Leonardo, mas, ao longo do tempo, teve que ser restaurada, e agora uma grande parte foi pintada por restauradores posteriores, por isso não está em um estado absolutamente prístino, há passagens dele, passagens suficientes para que ele seja vendido como Leonardo “.

O trabalho supostamente foi aprovado por um especialista chamado Walter Isaacson, a questão é … A opinião de uma única pessoa é suficiente para uma pesquisa tão “importante”, não deve ser criado um comitê interdisciplinar para evitar especulações? Ou podemos pensar que já que a peça foi vendida não é relevante o tema da autoria?

Existem preocupações legítimas sobre a pintura. Em uma entrevista da ArtNews, a prestigiosa especialista em restauração Jennifer L. Mass Ph.D, presidente da Scientific Analysis of Fine Art, LLC, falou sobre as questões relacionadas com a condição de Salvator Mundi. (Ela não analisou o trabalho real e simplesmente falou sobre questões gerais de conservação e restauração). “Em geral, quando você passa por uma coleção, aproximadamente 80 por cento do que você vê é o trabalho dos artistas e 20 por cento é da mão dos restauradores e conservadores que trabalharam nas pinturas ao longo dos anos”. “Não é incomum que as pinturas tenham um certo grau de tinta que não pertença ao trabalho original e que é simplesmente algo que você esperaria de uma obra de arte de várias centenas de anos”.

Em seu ensaio de Nova York, questionando a autenticidade do trabalho, Jerry Saltz cita um “especialista bem conhecido no campo” que manteve o anonimato quem brincou e falou que a razão pela qual essa pintura do Renascimento estava incluída em uma venda de arte contemporâneo é “porque o 90% do trabalho foi pintado nos últimos 50 anos”.

Salvator Mundi, e embora os resultados forenses assegurem que não é uma falsificação moderna, se foi feito por Leonardo ainda é uma questão de opinião. Por um lado, é pintado em tela, e Leonardo e seu estúdio sempre pintavam em painéis de madeira. Ele gostava de experimentar materiais e métodos, mas o uso da tela é esquisito, como Martin Kemp notou na época. Apenas porque combina com um desenho Leonardo atual não o faz a peça ser original de Leonardo da Vinci.

Novamente, uma meiga campanha de marketing faz atingir um preço obsceno para uma obra de arte, um negócio milionário onde o status quo permanece intacto e onde o mercado de arte continue dando mais importância às histórias e à proveniência do que a peça de arte.

No Comments

Post A Comment

dois × dois =